PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 6828286
 Online Agora: 14
Religião
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  22/12/2019 às 13h15
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
O que seria o Natal?

22/12/2019 às 13h15

Roberto Nogueira Ferreira robertonogueira@cnc.org.br

 

Membros de uma sociedade egoísta, preconceituosa, individualista, intolerante, materialista, por isso, humana... Todos nós - cristãos e não cristãos – sofremos transformações corporais e emocionas do Advento ao dia do Natal.

Contaminados por “estranhas” sensações somos tomados por sentimentos a que não estamos acostumados em nosso dia a dia.  Sem sentir tornamo-nos sujeito e objeto de atos recíprocos (ou não) de: tolerância, amizade, igualdade, fraternidade, simplicidade, solidariedade e subsidiariedade...

Sem perceber tornamo-nos membros voluntários e involuntários dessa comunidade liderada por um Espírito Santo.

Tornamo-nos melhores do que somos?

 Não importamos o nome que a isso se dê. Nem agora, nem sempre, nem nunca.

Talvez isso seja apenas e tão somente amor.

Durante 11 meses somos atropelados pelo desamor.

Abrimos os jornais e lemos desamor.

Assistimos à TV e vemos desamor.

As rádios transmitem desamor.

As redes sociais são a consagração do desamor. E disputam essa primazia com as representações políticas e judiciárias, contaminadas pelo desamor, movidas pela ganância, pela soberba, pela arrogância, pelo pedantismo de grife, pela falsa superioridade, como se eterna a vida fosse, como se o seu sopro não pudesse extinguir-se a qualquer momento.

E o desamor oficial e coletivo, autorizado por tantos desamores, entra em nossas vidas como se fora uma fatalidade inevitável e superior. E nem sempre nos damos conta.

E ele, o desamor, cruel e rasteiro, segue colhendo vítimas na família, no trânsito, no trabalho, nas comunidades científicas, sociais e até ecumênicas.

Ele – o desamor – ousa presidir decisões nos tribunais superiores e inferiores, no Congresso Nacional e nas Assembleias e Câmaras Legislativas, nos Poderes Executivos em todos os níveis. Confortavelmente instalado, o desamor corrompe poderes públicos e privados, apodrecendo-os.

É ele, o desamor, essa erva daninha, maldita, que divide a sociedade entre visíveis e invisíveis, que fomenta disputas desleais, dissemina intrigas, consagra invejas, destrói imunidades, instala enfermidades.

O desamor seria a causa de todos os males.

Mas, afinal, o que seria o Natal?

Acho que já sei.

O Natal é uma pausa no desamor.

 Pena que dure pouco.

 Natal de 2017.






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Religião
31/07/2020
Paróquia São José realiza missa drive-in em Juiz de Fora
07/04/2020
Celebrações da Semana Santa
10/03/2020
Trecho entre JF e Coronel Pacheco continua em obras
03/03/2020
A Campanha da Fraternidade em prática no ambiente escolar
22/12/2019
O que seria o Natal?
15/10/2019
Papa canoniza Irmã Dulce, a primeira santa brasileira
11/10/2019
Padroeira do Brasil é festejada pela Paróquia São Manoel
11/10/2019
12 DE OUTUBRO, Dia de Nossa Senhora Aparecida, a Padroeira do Brasil
26/09/2019
Paróquia N. S. do Rosário festeja sua Padroeira
15/10/2013
 Avanço da justiça humana no Vaticano
24/07/2013
Ministro empossa reitor do IF Sudeste MG
22/07/2013
Padre Francisco Vidal – 25 Anos de Sacerdócio
08/03/2013
Notícias do Vaticano
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br