PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 6341426
 Online Agora: 72
Artigo
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  11/12/2020 às 23h40
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Com mais tempo confinadas em casa, consumo de bebidas e drogas ilícitas entre as pessoas aumentaram na pandemia
Uso de psicoativos está ligado a sintomas de ansiedade e depressão

11/12/2020 às 23h40

Tristeza, tédio, depressão e insatisfação aparentes são sintomas bem comuns após a permanência de um longo período dentro de casa, especialmente quando isso é feito contra a sua vontade. E muitas pessoas, para se distraírem desses pensamentos vazios, abusam de substâncias não muito usuais para passar o tempo.

É o que mostra uma pesquisa de comportamento realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), na qual mostra que 18% das pessoas relataram aumento no consumo de álcool e 34% de tabaco na pandemia.

Na ingestão de bebida alcoólicas, os maiores aumentos foram registrados na faixa etária de 30 a 39 anos (24,6%) e de 18 a 29 anos (18,6%).

‘’As pessoas buscam uma fuga desses sentimentos ruins, querem esquecer a tristeza e as incertezas que estão vivendo. Acabam por abusar dessas substâncias, que mesmo não sendo boas para o organismo, dão a elas pequenos picos de prazer.’’, afirma o Dr. Bruno Brandão, médico psiquiatra.

Além desse fator emocional, existe também a comodidade de beber em casa, ou fazer o consumo de outras drogas, como o cigarro. Nos bares, bebidas alcóolicas são sempre mais caras que no mercado, e acompanhadas de petiscos podem doer no bolso no final da noite. Ademais, em casa você possui o conforto de não se preocupar em abusar na bebida, já que não precisaria dirigir na volta para casa.

O ato de fumar em casa também é mais cômodo do que na rua ou em companhia de outras pessoas, pela privacidade e não preocupação de incomodar os que estão a sua volta, ou ser pego, a depender da substância utilizada, como a maconha.

As pessoas que abusam dessas substâncias buscam estratégias de enfrentamento aos medos e sentimentos ruins na pandemia. ‘’No início, há uma sensação de alívio, mas depois causa desequilíbrio neuroquímico que induz os sintomas de ansiedade, por exemplo, que a pessoa quer evitar", completa Dr. Bruno.

É importante alertar sobre esse comportamento e os riscos que ele pode causar à saúde das pessoas, para que esses vícios momentâneos não perdurem para o resto da vida, causando complicações no organismo e no corpo.

Quando o uso dessas substâncias causam prejuízos na rotina, como o aumento de tolerância, em que é necessário usar maior quantidade para obter os mesmos efeitos, e problemas familiares recorrentes, ou a dificuldade de controlar o uso, como começar a beber logo pela manhã, por exemplo, é recomendado a busca de um profissional da saúde que trate estes vícios.

Não deixe que a sua saúde tenha mais um problema para se preocupar durante esta pandemia. Se cuide, se ame, e se preserve!

Fonte: Bruno Brandão, médico na área de psiquiatria. Formado em medicina pela Faculdade da Saúde e Ecologia Humana (Faseh). Possui título de especialista em psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP. Especialização em dependência química pela unidade de álcool e drogas pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. É sócio fundador da associação brasileira de neuropsiquiatria. Atualmente atende em consultório próprio em BH e Três Marias - MG.





Outras Fotos

11/12/2020 às 23h40
11/12/2020 às 23h40


Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Artigo
24/02/2021
Um ano de pandemia no Brasil: O que mudou em nós?
24/02/2021
INSS suspende obrigação de prova de vida por mais dois meses
17/02/2021
O que esperar para o ano de 2021? De olho na ciência e inovação
10/02/2021
CARNAVAL: AFINAL DE CONTAS, É FERIADO OU NÃO?
08/02/2021
Chuvas de verão e cuidados com os alagamentos
22/01/2021
Finalmente temos vacina contra a COVID-19. Temos mesmo?
19/01/2021
2020: um ano para não ser esquecido
13/01/2021
Jovens estão se infectando cada vez mais com Covid-19
08/01/2021
Covid-19: o que nos aguarda em 2021?
05/01/2021
COMEÇO DE ANO
04/01/2021
VAI 2020...ADEUS!
18/12/2020
2020: o ano em que a ciência foi ofuscada pela política, achismo e ambição
11/12/2020
Com mais tempo confinadas em casa, consumo de bebidas e drogas ilícitas entre as...
08/12/2020
"Se o Papai Noel faz parte do grupo de risco, o Natal sobreviverá à pandemia"
04/12/2020
O ano letivo de 2020 pode ser um ano considerado perdido?
01/12/2020
O Brasil pode crescer com inteligência política
01/12/2020
Covid-19 e a sua relação com os hábitos de consumo
25/11/2020
Pandemia pode aumentar a desigualdade educacional no Brasil e o papel transforma...
24/11/2020
Populismo racial
24/11/2020
Violência contra a mulher em tempos de covid-19
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br