PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 6163706
 Online Agora: 156
Opinião
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  03/11/2020 às 21h06
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
As Eleições e a Demência Brasileira

03/11/2020 às 21h06

*Dr. Leonardo Torres

O Brasil está cada vez mais demente: presidente com sentimento persecutório e contra vacina, senador fugitivo escondendo o dinheiro nas nádegas, candidatos canastrões que fazem estripulias para chamar atenção e conquistar votos. Enquanto isso, a fome e a miséria aumentam, as matas são incendiadas e as mortes pelo COVID-19 não cessam. E ainda, a aprovação do presidente cresce, por ter implementado um auxílio emergencial que não foi ele quem planejou.

Nem mesmo Kafka, Huxley, Saramago ou Shakespeare sequer imaginariam escrever um romance comparável ao que nosso país passa neste momento. Não somente por que os personagens que atuam no palco político são peculiares, mas também porque o público que os assiste atuar - os eleitores - também estão cada vez mais dementes.

A palavra "demente" provém "da-mente". Aqui se exclui qualquer conotação pejorativa da palavra. Vale lembrar Edgar Morin quando afirma que o ser humano é Sapiens e Demens, ou seja, pautado tanto pela racionalidade quanto pelas emoções e pela mente.

Apesar da neurociência já ter provado que é impossível separar a racionalidade das emoções, temos que tomar cuidado para não cair em racionalismos. De acordo com E. Morin, o racionalismo é uma razão tendenciosa, autoritária e paranoica, ou seja, são aquelas justificativas simples e fáceis de se entender, que normalmente elegem e projetam suas emoções em um inimigo. Por exemplo: as fake news nas últimas eleições para presidente promoveram em grande parte da população brasileira um contágio desses racionalismos e suas emoções projetadas.

É possível escapar desse circo? Não, mas é possível e importante incluir nesta equação a variável da consciência e da racionalidade (sem ismos). Estas são responsáveis pela reflexão crítica dos acontecimentos atuais. E aquela frase de C. Jung: "até você se tornar consciente, o inconsciente irá dirigir sua vida e você vai chamá-lo de destino", coloca a responsabilidade desse circo demente de eleitos e eleitores nas mãos dos cidadãos. Nós, brasileiros, devemos saber se vamos continuar batendo palmas e incentivando os eleitos a dançar ou se usaremos nossas mãos para votar corretamente. (Comunicação Corporativa)

*Dr. Leonardo Torres, 30 anos, psicoterapeuta junguiano e palestrante






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Opinião
22/01/2021
A diplomacia do ataque e seus efeitos colaterais
08/12/2020
O Programa dos 100 Dias
01/12/2020
Um Drible Aqui, Outro Acolá
19/11/2020
APAGÃO ILUMINA O AMAPÁ
03/11/2020
As Eleições e a Demência Brasileira
22/09/2020
A Solidariedade e a Pandemia
19/09/2020
O Pantanal está queimando – a era do fogo chegou
16/09/2020
NOSSAS VIDAS NO AMANHÃ
09/09/2020
A GUERRA DE NARRATIVAS
13/08/2020
Os problemas e a desigualdade social que a pandemia tirou de debaixo do tapete
24/07/2020
Até quando o servidor público será desrespeitado?
22/07/2020
E SE A LOCOMOTIVA PARA?
14/07/2020
Democracia a serviço da ideologia
09/07/2020
Ser ou Não Ser, eis a questão!
20/06/2020
O Gabinete do Ódio Existe!
20/06/2020
O Lento Retorno da Economia
03/06/2020
Coronavírus, uma arma biológica
27/04/2020
Peço anistia ao mundo pela humanidade
24/04/2020
“PEC do Orçamento de Guerra” entrega cheque em branco nas mãos de políticos
13/04/2020
Os Sonhos nas Bases
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br