PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 5752743
 Online Agora: 10
Crônicas
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  06/10/2020 às 19h03
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Um novo mundo (ainda) é possível?

06/10/2020 às 19h03

Gladisson Silva da Costa

O Fundo Monetário Internacional (FMI) e outras organizações apontam que a economia mundial encolherá consideravelmente em 2020 e, provavelmente, enfrentemos “espasmos” dessa crise nos anos seguintes, mas nem todo mundo será atingido da mesma forma.

O coronavírus atingiu a Ásia e a Europa com uma força avassaladora, colocou de joelhos a gigante China e obliterou as tradicionais economias europeias. Vimos a maior economia do planeta ser duramente golpeada pelos efeitos da pandemia. É a maior crise econômica desde a Grande Depressão de 1929. Entretanto, embora o vírus não dependa de questionários socioeconômicos para se espalhar, todos os dados apontam para uma verdade que a gramática neoliberal que domina o debate público atualmente tenta silenciar: são os mais pobres, de novo, que vão pagar a conta.

Os Estados Unidos que, entre o clube dos mais ricos, têm os piores índices de pobreza, ao se tornar o epicentro da pandemia, mostrou ao mundo que o coronavírus não é tão democrático quanto se imaginava. A população negra é a parcela que mais sofreu com os efeitos da pandemia nos Estados Unidos, não porque exista algum componente biológico que faça com que os negros sejam mais suscetíveis ao contágio, mas porque existe um enorme problema socioeconômico. Ou seja, os negros são maioria entre os mais pobres e, portanto, não têm condições de fazer um distanciamento social efetivo (alguém precisa trabalhar, não é mesmo?!), nem tampouco têm acesso a um tratamento de saúde eficiente quando contaminados.

No Brasil, o vírus encontrou uma realidade ainda mais cruel. Durante o auge da pandemia vimos cemitérios superlotados, filas de ambulâncias em busca de UTI, filas de pessoas desesperadas para ter acesso ao dinheiro do auxílio emergencial, vimos também desvio da verba destinada ao combate à pandemia, ações de despejos, demissões em massa, violência policial (acompanhada do velho racismo) e fechamento de várias empresas.

Diante desse caos, os mais pobres novamente se viram sozinhos, abandonados à própria sorte e diante de uma escolha impossível: ou se expõem ao vírus, arriscando suas vidas e de suas famílias, engrossando o número de vítimas da covid-19, ou enfrentam “com a cara e a coragem” as consequências econômicas da crise.

A pandemia, além da nossa imensa desigualdade, escancarou outro ponto particularmente preocupante, a aparente falta de imaginação dos governantes e de uma parcela significativa da população. Como a nossa sociedade, capaz de feitos fantásticos como a chegada à lua e a realização de mega construções impressionantes, não consegue imaginar um mundo onde seres humanos não precisem escolher entre morrer de fome com o desemprego ou terem suas vidas ceifadas pela pandemia?

Sobre este questionamento, vem a gritaria: isolamento social é privilégio! Mais um sintoma da morte do bom senso e com ele parte da nossa própria humanidade. Como pode uma necessidade tão urgente ser interpretada como privilégio? Claro que a desigualdade grita aos nossos olhos e expõe o fato de que apenas um pequeno grupo consegue ter acesso pleno à saúde, educação, moradia e entretenimento, mas interpretar o acesso a uma condição digna de existência como privilégio, como regalia, só nos enfraquece enquanto grupo sócia, e nos impede de ver a origem do problema e, mais importante, superá-lo.

O fato de algumas pessoas terem acesso a direitos tão básicos, como a possibilidade de se proteger da maior crise sanitária dos últimos cem anos, não deveria ser o problema. O problema deveria ser fato da nossa sociedade ser incapaz de (ou sequer tentar) garantir que esse direito seja universal.

Enfim, que a experiência de sermos “testemunhas oculares da história” nos torne capazes de desenvolver uma imaginação que vá além do óbvio, não apenas para elaborar histórias maravilhosas sobre o Belo Reino, como o fez o criador da Terra Média, mas para efetivamente desenvolvermos uma nova sociedade. A frase é batida, eu sei, mas a obviedade não reduz a sua importância, um novo mundo é possível, ou melhor, é urgente e necessário.

*Especialista em Metodologia do Ensino de História, professor dos cursos de Letras e História do Centro Universitário Internacional Uninter


 






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Crônicas
06/10/2020
Um novo mundo (ainda) é possível?
11/08/2020
A Segunda Metade da Vida
27/07/2020
A Fantasia na Hora do Sol
20/06/2020
Festas juninas - tradição interrompida e novas ideias para não passar em branco
16/06/2020
A crise também tem sua missão
12/06/2020
Qual a Cor da Vida?
09/06/2020
Mediocridade Cotidiana
23/05/2020
A Segunda Metade da Vida
19/05/2020
Crônica de várias mortes anunciadas
27/04/2020
O "Novo Normal"
24/04/2020
A Nova Ordem Laborativa Mundial
30/03/2020
Acordando no meio da noite
04/02/2020
A Fantasia na hora do Sol
24/01/2020
SÁBADO
08/10/2019
Envelhecimento: o tempo passa para todos
04/10/2019
AS ÁRVORES NÃO TEM ASAS
12/09/2019
11 de setembro atinge a maioridade: Qual o legado do atentado?
18/01/2019
H2O
14/05/2014
Quando me tornei mãe?
27/08/2013
A espionagem nos tempos de internet
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br