PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 7417601
 Online Agora: 26
Opinião
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  19/09/2020 às 23h37
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
O Pantanal está queimando – a era do fogo chegou

19/09/2020 às 23h37

*Rodrigo Silva

No ano de 2015, o pesquisador norte americano, Stephen Pyne, cunhou um termo para designar uma nova era que se inicia em nosso planeta: o PIROCENO. Basicamente, essa teoria prega que, o mesmo elemento que nos levou a ser uma espécie dominante, será o responsável por destruir boa parte da nossa própria existência – isso é apenas uma questão de tempo.

Diuturnamente, temos sido bombardeados por notícias sobre as queimadas no Brasil e no mundo, como se isso fosse alguma grande novidade. Na América do Norte, por exemplo, as queimadas acontecem anualmente e, além de destruir dezenas de hectares de florestas, queimam casas e ceifam vidas humanas e de outros animais.

No Brasil, acontece o mesmo. As queimadas, principalmente no norte e centro-oeste, têm sido motivo de inúmeras manchetes em diferentes veículos de comunicação aqui e no mundo. Mas, o que está diferente dos anos anteriores? Duas coisas.

A primeira é a passividade – nesse momento foi a melhor palavra que encontrei para as atitudes de quem vou mencionar em seguida – do Ministério do Meio Ambiente, conduzido pelo ministro Ricardo Salles, diante dos desastres ambientais que vêm ocorrendo sequencialmente no Brasil há, pelo menos, dois anos.

A segunda é a dimensão do que está acontecendo. Dimensão no sentido territorial e político. Especificamente, no caso do Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo e considerada a maior área úmida do planeta arde em chamas em uma área maior do que a cidade de Nova Iorque, deixando um enorme rastro de morte e desolação. A dimensão do estrago é tão grande que a fumaça chegou aos céus da cidade de Curitiba, no Paraná, que está a mais de 1800 quilômetros de distância.

Fotografias de onças-pintadas, tamanduás, serpentes e outros animais consumidos pelas chamas circulam pela internet e chocam quem as vê. Biólogos, veterinários e outros profissionais percorrem grandes áreas à procura desses animais para tentar salvá-los de morrerem carbonizados.

Mas, como disse anteriormente, o fogo não chegou ao Pantanal esse ano. Ele já é um velho conhecido do povo local, pois é muito utilizado para renovar os nutrientes do solo e ampliar o pasto para o gado que, aliás, é um dos maiores vilões dentro desse contexto.

Agora, vamos retomar a informação que falei anteriormente: o Pantanal é uma área úmida, portanto, a combustão natural é quase impossível. Mas, esse ano não está fácil nem para esse local. Com a estiagem, a seca chegou mais forte do que nunca e deixou um terreno propício para o que o fogo se espalhasse com força pela região, queimando 16% de todo território.

Agora vamos juntar as três informações: permissividade das autoridades ambientais + estiagem severa atribuída às mudanças climáticas (El Niño mais intenso) + fogo para ampliação de pastagens = desastre ambiental.

O enfraquecimento da fiscalização ambiental e suas políticas públicas de proteção ao meio ambiente que tem sido algo inerente ao governo do presidente Jair Bolsonaro, fato que pode ser demonstrado pelos gastos com a pasta – foi gasto apenas 0,4% do orçamento destinado às políticas ambientais – e, isso leva a situações como essas.

Ainda que o governo federal esteja alocando inúmeros heróis (bombeiros, soldados do exército, biólogos, veterinários e população local) para tentar apaziguar a situação, o fogo ainda arderá por muito tempo, caso não seja feito algo contundente para combater o agronegócio devastador para nossa biodiversidade.

*Biólogo e doutor em Ciências, é coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental do Centro Universitário Internacional Uninter

 






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Opinião
21/06/2021
O CARRO NA ESTRADA
15/06/2021
AS LIÇÕES DA CRISE
11/06/2021
Prejudicar o aposentado também é prioridade da reforma administrativa
01/06/2021
MANAUS, A TRAJETÓRIA DO CAOS
11/05/2021
Curiosidades da CPI da COVID-19
26/04/2021
A ONDA DO MEIO DA PIRÂMIDE
22/04/2021
Como a política anti meio ambiente brasileira reforça o racismo ambiental
12/04/2021
Desenvolvimento e Crescimento em Tempos de Pandemia
01/04/2021
O papel constitucional das Forças Armadas
15/03/2021
Chimpanzé e Maquiavel contra Gandhi
22/02/2021
A Estampa da Malandragem
09/02/2021
Fim do Auxílio Emergencial e a Fome
02/02/2021
Vacina pouca, meu braço primeiro?
27/01/2021
Vacina da Covid-19: O que leva tantas pessoas a duvidarem da ciência?
22/01/2021
A diplomacia do ataque e seus efeitos colaterais
08/12/2020
O Programa dos 100 Dias
01/12/2020
Um Drible Aqui, Outro Acolá
19/11/2020
APAGÃO ILUMINA O AMAPÁ
03/11/2020
As Eleições e a Demência Brasileira
22/09/2020
A Solidariedade e a Pandemia
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br