PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 5736677
 Online Agora: 14
Saúde
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  08/07/2020 às 19h46
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Por quê a Ásia se tornou o epicentro de diferentes doenças?

08/07/2020 às 19h46

 *Rodrigo Silva

Há um alerta por parte das autoridades de saúde e meio ambiente do mundo inteiro de que a pandemia da COVID-19 não será a última e que, a sociedade deve se preparar para as próximas doenças infecciosas emergentes que estão por aparecer nos próximos anos.

Mas, nesse momento, surge o seguinte questionamento: por que boa parte das doenças pandêmicas dos últimos anos tiveram sua origem na Ásia?

Há muitas especulações quanto a isso, entretanto, os pesquisadores acreditam que esse seja um problema multifatorial.

A região asiática tem algumas peculiaridades que favorecem fortemente o surgimento de novas doenças. A primeira delas é a explosão populacional e a migração dessa população da zona rural para os grandes centros urbanos e, essa rápida urbanização proporciona uma interação física muito maior entre as pessoas favorecendo o contágio e disseminação de microrganismos como, por exemplo, o Coronavírus.

Ainda, quando a urbanização é feita de maneira não planejada, ocorre a destruição de áreas verdes e, consequentemente, a destruição dos habitats de animais silvestres favorecendo a aproximação desses animais (alguns deles podendo ser hospedeiros de vírus desconhecidos) com os animais domésticos e os seres humanos, o que também pode favorecer a dispersão das doenças zoonóticas – doenças transmitidas por animais aos seres humanos.

Vale ressaltar que regiões tropicais, como é o caso do leste asiático, por terem grande biodiversidade também carregam o ônus de terem (em maior grau) a presença de microrganismos totalmente desconhecidos para o ser humano e, o fato de nunca termos tido contato com eles, implica em não termos imunidade desenvolvida para combatê-los.

Durante a explosão do Coronavírus na cidade de Wuhan, na China, foi levantada outra questão muito importante dentro do contexto das zoonoses: o tráfico e consumo de animais silvestres que, diga-se de passagem, não é privilégio somente dessa região do planeta. No caso asiático, atrelado ao consumo de iguarias está a questão da medicina tradicional chinesa (MTC) que utiliza partes de diversos animais visando a produção de remédios para a cura de diferentes doenças.

Aqui, não pretendo fazer juízo de valores éticos ou culturais, mas apenas apresentar fatos. Um estudo da Escola de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong mostrou que a primeira linha de tratamento de boa parte da população asiática é por meio da MTC que oferece tratamentos mais baratos para inúmeras doenças. No entanto, quando essas terapias não surtem efeitos para determinadas infecções mais graves e com alto potencial de disseminação, a população procura a medicina ocidental. Esse precioso tempo dispensado dificulta os tratamentos medicamentosos e favorece a proliferação dos vírus, por exemplo.

Seguindo essa linha de raciocínio, nessa região o comércio de compra e venda de animais domésticos vivos para consumo (suínos, e aves, principalmente) é muito grande contribuindo ainda mais a interação entre humanos-animais e, por consequência, a infecção por diferentes patógenos.

Muitos países asiáticos ainda têm um problema muito importante em relação à higiene de locais públicos e também em relação censura de informações o que certamente dificulta as autoridades de saúde a buscarem formas seguras de interromper o ciclo dessas doenças.

Apesar de tudo isso, vale ressaltar que o fato da rápida dispersão dessas enfermidades está relacionado muito mais aos processos de globalização que favorecem o deslocamento de pessoas, animais e objetos infectados para diferentes partes do mundo em curto espaço de tempo, do que propriamente à alguma região específica do planeta. Isso implica dizer que a situação apresentada não é privilégio de chineses ou asiáticos, mas do modo de vida em que a população do planeta se encontra.

*Biólogo, doutor em Ciências e coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental do Centro Universitário Internacional Uninter


 






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Saúde
20/10/2020
Ginecologista aborda aspectos do câncer de mama
15/10/2020
Programa de financiamento da Saúde define tabela de repasses
14/10/2020
Vacinação de pessoas entre 20 e 49 anos segue até dia 30 de outubro
06/10/2020
Multivacinação e imunização contra a poliomielite teve início em todo país
16/09/2020
Estudo clínico da vacina AZD1222 é reiniciado no Brasil
16/09/2020
FIEMG mobiliza recursos para desenvolvimento de vacina contra a Covid-19
02/09/2020
Empresas de diálise cobram socorro financeiro do Governo Federal
29/08/2020
Dia Nacional de Combate ao Fumo
28/08/2020
Saúde vai especificar data de óbitos por covid em boletim
13/08/2020
Desenvolvimento de diferentes vacinas para o coronavírus ajuda na descoberta de ...
11/08/2020
Saúde analisa impacto de isolamento social no combate à covid-19
11/08/2020
Coronavírus pode ser transmitido pelos olhos
04/08/2020
Especialista da UFMG explica nova onda de contágio pelo coronavírus
31/07/2020
Covid-19: Minas Gerais é o estado com menor taxa de óbito por 100 mil habitantes
31/07/2020
Municípios recebem do MS mais de R$ 18,5 mi para combate à covid-19
27/07/2020
Candidata à vacina contra Covid-19 da Moderna entra em estágio avançado de teste...
27/07/2020
Análise de esgoto pode indicar regiões mais afetadas pelo novo coronavírus antes...
08/07/2020
Por quê a Ásia se tornou o epicentro de diferentes doenças?
02/07/2020
Mais de 20 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar contra a gripe
01/07/2020
Informe Epidemiológico Coronavírus em Minas - 1/7/2020
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br