PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 5255913
 Online Agora: 16
Educação
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  23/06/2020 às 16h58
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Após três meses de paralisação, escolas de todo o país vivem incerteza sobre volta às aulas
Diferença da situação do novo coronavírus em cada estado dificulta uniformidade na retomada do calendário; caberá a conselhos estaduais e municipais reorganizarem carga horária

23/06/2020 às 16h58

Desde março paradas por conta da pandemia do novo coronavírus, as escolas da rede pública e privada seguem sem certeza de quando poderão retomar o calendário escolar. Mesmo nos estados em que os governos esboçam uma volta às aulas a partir de julho ou agosto, o retorno continua dependendo da evolução da Covid-19 em cada localidade. 

Na tentativa de orientar estados e municípios a organizarem seus calendários durante a pandemia, o Ministério da Educação (MEC) homologou uma série de diretrizes aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE).

Uma das soluções propostas pelo MEC é a de que os sistemas de ensino usem atividades não presenciais para o cumprimento da carga horária mínima. Dessa forma, os estudantes teriam que repor menos horas quando as aulas voltarem de modo presencial. O órgão autoriza, também, que as instituições usem o recesso escolar do meio do ano, os sábados e até mesmo reprogramem as férias do fim do ano para minimizar o já impactado cronograma. 

Para Gustavo Fagundes, especialista em Direito Educacional, as orientações são positivas, uma vez que o momento impõe obstáculos inéditos para os sistemas de ensino. “Não haveria como se exigir uma solução absolutamente dentro da normalidade. É uma crise pela qual nós não passamos em tempos recentes”, avalia. 

Pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), as escolas de educação básica e do ensino superior têm de cumprir 200 dias letivos e 800 horas. No entanto, uma Medida Provisória (MP) aprovada pelo Congresso Nacional flexibilizou a norma. As escolas que estão com as aulas suspensas poderão distribuir as horas perdidas em um período menor, por exemplo. Na mesma linha, o MEC também permitiu que as escolas recuperem o tempo perdido ao aumentar o número de horas de aula por dia ou utilizando o turno contrário. 

Fagundes acredita que as instituições de ensino, respeitadas as decisões dos conselhos estaduais e municipais, vão ter grau de autonomia para adaptar o calendário à sua realidade. Ele destaca que é provável que as escolas públicas adotem um calendário “mais uniforme”, enquanto as escolas particulares devem ter mais variação. 

Atenção à desigualdade

Uma das grandes preocupações de especialistas em educação é de que enquanto as aulas presenciais não retornem, estudantes mais pobres fiquem para trás quando adotados modelos exclusivamente baseados em atividades à distância.

O parecer do CNE e homologado pelo MEC pede que as instituições adotem propostas que não excluam os alunos do processo de aprendizagem, observando se, por exemplo, um modelo com o uso de um tipo específico de tecnologia será acessível para os estudantes daquela localidade.

Para Catarina de Almeida Santos, professora da UnB e coordenadora do comitê do Distrito Federal da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, o ideal seria limitar o ensino não presencial. “Temos experiência nos estados que resolveram retomar as atividades remotas, um enorme processo de exclusão. Tem sistemas em que mais de 50% dos alunos estão ficando pra trás”, alega. 

Panorama

Em São Paulo, estado com mais casos da Covid-19 no país, o governo prometeu anunciar um calendário escolar na próxima quarta-feira (24). O Rio de Janeiro, segundo em ocorrências, não tem previsão de volta. Estado nordestino mais afetado pela pandemia, o Ceará pode se tornar um dos locais a retornarem com as aulas mais cedo: 24 de julho é a projeção do governador Camilo Santana. (Fonte: Brasil 61)






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Educação
23/06/2020
Após três meses de paralisação, escolas de todo o país vivem incerteza sobre vol...
12/05/2020
IF Sudeste MG oferece assessoria gratuita a pequenas e médias empresas de Rio Po...
28/04/2020
Parceria do IF Sudeste MG com a EMBRAPA amplia capacidade de diagnóstico de COVI...
27/04/2020
IF Sudeste MG - Campus Rio Pomba seleciona profissional de Administração para at...
27/02/2020
Campus Rio Pomba oferece atividades de musicalização para público interno e exte...
17/12/2019
Projeto Rotary na Escola
02/12/2019
PROERD forma novas turmas
27/11/2019
Capes destina R$ 1,3 milhão para projetos de combate ao derramamento de óleo nas...
26/11/2019
Escolas cívico-militares estarão em 23 Estados e no Distrito Federal em 2020
13/11/2019
Projeto “Certifica” leva tecnologia aos produtores rurais orgânicos da região
06/11/2019
Especialistas analisam primeiro dia do ENEM 2019
28/10/2019
Alunos da UFMG vencem competição promovida pela Nasa
28/10/2019
IF Sudeste MG - Campus Rio Pomba desenvolve aplicativo de gerenciamento de infor...
23/10/2019
Campus Rio Pomba realiza Concurso Regional de Cerveja Artesanal
18/10/2019
MEC vai liberar R$ 43 milhões para obras em instituições de ensino superior
15/10/2019
Em defesa das Universidades Públicas
25/09/2019
IF Sudeste MG promove Semana do Alimento Orgânico em Barbacena, Muriaé e Rio Pom...
12/09/2019
"Resgate de pouco mais de 3 mil bolsas da Capes é uma vitória parcial", afirma M...
23/08/2019
Campus Rio Pomba: há 57 anos desenvolvendo a nobre tarefa de educar
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br