PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 5255824
 Online Agora: 13
Saúde
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  05/05/2020 às 16h30
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Covid-19 e o novo cenário do saneamento

05/05/2020 às 16h30

Luiz Pladevall (*)

A pandemia provocada pela Covid-19 reforçou a importância de acelerarmos o processo de universalização dos empreendimentos e serviços de saneamento básico. O país convive com 35 milhões de brasileiros que não têm acesso à água potável e outros 100 milhões com moradias sem conexão à rede de coleta e tratamento de esgoto. Além de servir para a expansão de doenças relacionadas à veiculação hídrica, essas condições não permitem que as pessoas cumpram a higienização mínima de lavar as mãos para evitar a proliferação do novo coronavírus.

Essa população abandonada tem convivido ainda com graves problemas de saúde como dengue, diarreia, cólera, febre tifoide, esquistossomose, hepatite infecciosa, entre muitos outros. Além dos prejuízos causados aos cidadãos afetados por essas doenças, elas impactam nos gastos da saúde pública. O próprio IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) já realizou estudos mostrando que 34,7% dos municípios brasileiros registram avanços de epidemias ou endemias relacionadas à transmissão hídrica nos últimos anos.

O novo marco regulatório do saneamento, em discussão no Congresso Nacional, traz importantes avanços para o setor. Porém, da maneira como está, a nova proposta corre o risco de não atender às demandas urgentes da população que mais precisa de água limpa e esgotamento sanitário. A pandemia vai provocar mudanças profundas no cenário de investimentos a curto, médio e longo prazos. O texto em discussão pelos parlamentares impõe aos municípios a obrigatoriedade da universalização dos serviços de esgotamento sanitário e abastecimento de água até 2033. Em condições econômicas normais já era uma tarefa inviável, agora com este novo panorama, a proposta se torna claramente intangível.

A previsão financeira para a universalização do saneamento chega a R$ 700 bilhões até 2033, com uma média de R$ 53 bilhões anuais. Nosso histórico nas últimas décadas alcançou recursos de, no máximo, R$ 15 bilhões por ano. O cenário de investimentos em infraestrutura também é desolador. Em 2019, por exemplo, aplicamos apenas 1,87% do PIB (Produto Interno Bruno) em obras de infraestrutura. O panorama não esteve muito distante entre 2001 e 2013, quando alcançamos uma média de 2,15% de investimentos públicos e privados. Mas tudo isso é muito pouco para construir estradas, aeroportos, estações de tratamento de água e esgoto. Para os próximos 20 anos, deveríamos investir 4,2% do PIB para melhor atender às demandas urgentes do país.

Precisamos repensar no modelo proposto pelo novo marco legal e evitar decisões de afogadilho. Caso contrário, corremos o risco de aprovar uma nova legislação que acabará inviabilizando qualquer contrato de concessão nas próximas décadas, afastando as empresas diante de um cenário de insegurança jurídica. Por isso, o Congresso precisa ter muita responsabilidade na finalização e aprovação desse marco legal.

O saneamento precisa se tornar uma política de Estado, independentemente da cor partidária do governo de plantão. Precisamos afastar as propostas amadoras e investir no planejamento, incluindo os mais de 5.500 municípios brasileiros. Somente com o avanço na infraestrutura de abastecimento de água e esgotamento sanitário vamos contribuir para o desenvolvimento socioeconômico de milhares de brasileiros e reduzir drasticamente a propagação de muitas doenças.

(*) Presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental)






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Saúde
08/07/2020
Por quê a Ásia se tornou o epicentro de diferentes doenças?
02/07/2020
Mais de 20 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar contra a gripe
01/07/2020
Informe Epidemiológico Coronavírus em Minas - 1/7/2020
29/06/2020
Brasil firma parceria com Reino Unido para produção de vacina contra o covid-19
29/06/2020
Informe Epidemiológico Coronavírus em Minas - 29/06/2020
29/06/2020
Reflexões na Crise
23/06/2020
Investimento feito pelo Estado no sistema de Saúde terá efeitos também pós-pande...
20/06/2020
Brasil chega perto da marca de um milhão de casos confirmados da Covid-19; 482 m...
20/06/2020
Entenda quais são os efeitos da crise gerada pela COVID-19
12/06/2020
Junho Vermelho: quem pode ser doador de sangue?
09/06/2020
Secretaria de Saúde reforça medidas de prevenção contra covid-19
08/06/2020
Brasil integrará cooperação internacional para o desenvolvimento de vacinas cont...
05/06/2020
Estado anuncia chamamento público para gestão compartilhada de Hospital de Campa...
03/06/2020
Edital disponibiliza R$ 132 milhões para pesquisas de combate à covid-19
29/05/2020
Informe Epidemiológico Coronavírus em Minas
29/05/2020
Falta de saneamento pode ser tão letal quanto o coronavírus
29/05/2020
INFLUENZA: 29 milhões de brasileiros ainda não se vacinaram contra a Gripe
29/05/2020
Governo de Minas recupera e devolve 130 respiradores para diversas regiões do es...
28/05/2020
Dia 28 de maio chama a atenção da sociedade para os diversos problemas de saúde ...
28/05/2020
Entre 16 países, Brasil é o que tem mais medo de retornar às aulas e ao trabalho...
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br