PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 5771901
 Online Agora: 12
Saúde
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  27/04/2020 às 18h44
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Entenda como descartar corretamente máscaras e materiais infectados pelo novo Coronavírus
Materiais expostos em meio ao lixo comum podem causar danos ao meio ambiente e contaminar trabalhadores envolvidos com a coleta

27/04/2020 às 18h44

Em tempos de enfrentamento do novo Coronavírus, muitos materiais de proteção como máscaras e luvas têm sido utilizados massivamente pela população como forma de proteção contra o vírus. Mas além da preocupação com a saúde, outro tema tem chamado a atenção: os cuidados com o descarte dos materiais contaminados com o vírus. Por possuir um alto nível de transmissão e por sobreviver por até nove dias em determinadas superfícies, o vírus representa um risco para catadores e profissionais envolvidos com a coleta de resíduos.

Por isso, para proteger do risco de contágio os trabalhadores e tantas outras pessoas envolvidas com a coleta de lixo, o Coordenador de Sustentabilidade do Sistema Fiep e membro do Comitê Técnico do InPAR, Mauricy Kawano, separou algumas dicas importantes para que o descarte de objetos contaminados seja o mais adequado possível tanto em residências, quanto em hospitais e centros de saúde, além de dicas para os catadores que podem manipular esse tipo de material.

Kawano explica que todos os pacientes com suspeita ou confirmação de infecção por COVID-19 deverão separar todos os resíduos, colocá-los em sacos de lixo resistentes e descartáveis e com fechamento com lacre ou nó quando o saco tiver até 2/3 de sua capacidade. “O ideal é colocar esse saco dentro de outro saco de lixo limpo, fechá-los e identificá-los para que não cause qualquer problema aos catadores e do meio ambiente. Se estiver em um condomínio é necessário informar sobre as medidas tomadas para os funcionários responsáveis pela coleta”, afirma Kawano.

O especialista lembra ainda que os materiais infectados podem ser descartados em lixos comuns, desde que sigam todos os cuidados necessários. No caso de hospitais, consultórios e serviços de saúde o lixo deve estar acomodado em sacos brancos leitosos com a identificação de materiais infectantes e deverá ser recolhido por uma empresa especializada. As recomendações fazem parte de uma cartilha da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES).

Kawano lembra ainda que, para os domicílios com casos confirmados de coronavírus, é necessário deixar os resíduos contaminados de quarentena. “É necessário que esses materiais fiquem armazenados em um local separado antes de serem descartados. Dessa forma, evita-se que os profissionais da coleta sejam expostos ao risco”, ressalta.

Segundo o médico Günter Kampf, do Hospital Universitário Greifswald, outros tipos de coronavírus chegaram a sobreviver cinco dias em materiais como plástico, papel e vidro. Em alguns casos, pode chegar a nove dias, mas ainda não há estúdios conclusivos sobre o tempo de sobrevivência do COVID-19.

Já em relação aos profissionais da coleta seletiva, o cuidado deve ser redobrado. É importante que, após a quarentena nas residências, os resíduos recicláveis sejam levados para estações de transbordo, pontos de destinação intermediários que funcionam para a quarentena dos materiais por parte do município. “Também é importante manejar os resíduos que chegam nas Instalações de Recuperação dos Resíduos antes que a triagem seja realizada. Os profissionais envolvidos nesse processo também devem utilizar os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual)”, destaca.

A outra opção de destinação para os materiais contaminados é o encaminhamento para os aterros sanitários, que garantirão que o material permaneça o tempo necessário até a inativação do vírus sem expor os trabalhadores a qualquer tipo de risco. Dessa maneira, o material não precisa de quarentena. (Fonte: InPar)

O Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR) é uma instituição que tem o propósito de operacionalizar um sistema de logística reversa de embalagens pós-consumo, visando atender às determinações impostas pela legislação vigente no âmbito estadual e federal. Fundado por seis sindicatos industriais (Sincabima, Sindicarne, Sindiavipar, Sinduscafé, Sinditrigo e Sipcep), com o apoio da Fiep.






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Saúde
27/10/2020
35% das crianças vacinaram contra poliomielite
20/10/2020
Ginecologista aborda aspectos do câncer de mama
15/10/2020
Programa de financiamento da Saúde define tabela de repasses
14/10/2020
Vacinação de pessoas entre 20 e 49 anos segue até dia 30 de outubro
06/10/2020
Multivacinação e imunização contra a poliomielite teve início em todo país
16/09/2020
Estudo clínico da vacina AZD1222 é reiniciado no Brasil
16/09/2020
FIEMG mobiliza recursos para desenvolvimento de vacina contra a Covid-19
02/09/2020
Empresas de diálise cobram socorro financeiro do Governo Federal
29/08/2020
Dia Nacional de Combate ao Fumo
28/08/2020
Saúde vai especificar data de óbitos por covid em boletim
13/08/2020
Desenvolvimento de diferentes vacinas para o coronavírus ajuda na descoberta de ...
11/08/2020
Saúde analisa impacto de isolamento social no combate à covid-19
11/08/2020
Coronavírus pode ser transmitido pelos olhos
04/08/2020
Especialista da UFMG explica nova onda de contágio pelo coronavírus
31/07/2020
Covid-19: Minas Gerais é o estado com menor taxa de óbito por 100 mil habitantes
31/07/2020
Municípios recebem do MS mais de R$ 18,5 mi para combate à covid-19
27/07/2020
Candidata à vacina contra Covid-19 da Moderna entra em estágio avançado de teste...
27/07/2020
Análise de esgoto pode indicar regiões mais afetadas pelo novo coronavírus antes...
08/07/2020
Por quê a Ásia se tornou o epicentro de diferentes doenças?
02/07/2020
Mais de 20 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar contra a gripe
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br