PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 4488934
 Online Agora: 17
Opiniões
Postada por:  Redação (Carmen Lúcia Marini Vieira Júlio),  em  08/10/2019 às 23h47
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
O homem não nasce violento; torna-se violento!

08/10/2019 às 23h47

 “Ninguém nasce homem, torna-se homem”. É parafraseando a escritora, filósofa, feminista e ativista política francesa Simone de Beauvoir (1908/1986), autora, dentre outras, da célebre frase “Ninguém nasce mulher; torna-se mulher”, que o psicanalista, sociólogo e professor da pós-graduação da Universidade Paulista, Jorge Miklos, explica não apenas o significado do termo “masculinidade tóxica”, que acomete alguns homens, mas também os seus reflexos e gravidade, que não raro resultam, de diferentes formas, na violência contra o sexo feminino. 

 “Nenhum homem nasce competitivo, dominador, agressivo e violento. O estereótipo machista e seu comportamento tóxico é moldado ao longo da vida nas famílias, escolas, igrejas, corporações e também pela mídia”, afirma Miklos. Segundo ele, o machismo padrão, além de impor ao homem um tipo de comportamento inaceitável para com o sexo feminino, também o impede de manifestar seus sentimentos. “Encontramos aqui razões não somente para o elevado número de mortes violentas entre os próprios homens, mas também para os graves problemas físicos e mentais que muitos sofrem”, explica.

Para o professor da Universidade Paulista, a experiência da masculinidade é variável para cada pessoa ao longo da vida, no entanto, “existem crenças enraizadas no imaginário social sobre ‘o que é ser homem’ que moldam as expectativas grupais, formatam narrativas e plasmam comportamentos que induzem a um modelo machista, patriarcal e violento”.

Pesquisa realizada pela ONU Mulheres e o Portal Papo de Homem aponta que a construção da identidade masculina estereotípica é expressa em nove orientações básicas: cultura do herói, violência, heterossexualidade, restrição emocional, capital viril, pertencimento ao grupo, sexo, trabalho, provedor. “Seguir essa receita implica integrar-se às expectativas de como os homens devem agir, sentir e falar”, diz o professor da Universidade Paulista. 

Miklos entende que o tema masculinidade e seus estereótipos midiáticos precisam de espaço para discussão e reflexão, ainda que em tempos de feminismo e empoderamento da mulher. Avalia que o debate é capaz de moldar gradativamente um novo comportamento e, por isso, propõe levá-lo às escolas, sobretudo as da rede pública. “É possível mudar o roteiro da violência masculina contra a mulher e desenhar um novo cenário, este de convivência pacífica”, acredita o professor. (RF Comunicação Corporativa – SP)


 






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Opiniões
26/11/2019
ONG global atua na prevenção e combate à violência contra mulher
08/10/2019
O homem não nasce violento; torna-se violento!
23/08/2019
AMAZÔNIA AGONIZANDO
09/08/2019
TABACO: Brasil vira referência mundial no combate ao tabagismo
08/08/2019
O que o Brasil precisa
08/08/2019
China abre mercado para lácteos brasileiros
16/02/2019
29/06/2015
Biblioteca Itinerante nas Escolas
29/06/2015
A Igreja e as Obras do Sítio da Lola
25/06/2015
Passeio Ciclístico Rural de Mountain Bike
29/12/2014
Novo protocolo define tratamento para crianças e adolescentes com HIV
26/11/2013
6ª Travessia doa Andarilhos
26/11/2013
ALMOÇO BENEFICENTE DA APAE
26/11/2013
FORMATURA
26/11/2013
5 ANOS DE DAVI
26/11/2013
DESPARAFUSADO DE TUDO
22/11/2013
NESSA EU DANCEI! QUE ÓDIO!
22/11/2013
Patrícia e Marcelo
22/11/2013
GENTE NOVA
22/11/2013
GENTE NOVA
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br