PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 3151327
 Online Agora: 5
Crônicas de Valéria Áureo
Postada por:  Valéria Áureo,  em  22/11/2013 às 10h26
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
A Voz do Brasil
A voz do Brasil muitas vezes se misturou ao canto dos passarinhos. Já nas Cartas de Pero Vaz de Caminha, à época do descobrimento, se falou deles: “... Enquanto andávamos nessa mata a cortar lenha, atravessavam alguns pássaros essas árvores; verdes uns, e pardos, outros, grandes e pequenos, de sorte que me parece que haverá mui, muitos nesta terra... Todavia segundo os arvoredos são mui, muitos e grandes, e de infinitas espécies. Não duvido que por esse sertão haja muitas aves!”

22/11/2013 às 10h26

A voz do Brasil muitas vezes se misturou ao canto dos passarinhos. Já nas Cartas de Pero Vaz de Caminha, à época do descobrimento, se falou deles: ... Enquanto andávamos nessa mata a cortar lenha, atravessavam alguns pássaros essas árvores; verdes uns, e pardos, outros, grandes e pequenos, de sorte que me parece que haverá mui, muitos nesta terra... Todavia segundo os arvoredos são mui, muitos e grandes, e de infinitas espécies. Não duvido que por esse sertão haja muitas aves!” Houve autor que fez do brasileiro o poético menino-passarinho, conforme compôs Luiz Vieira em “Preludio pra ninar gente grande”:“No calor do teu carinho/Sou menino-passarinho/Com vontade de voar...” Vontade de voar e de cantar. Porque a vida deveria ser cantar e cantar e cantar... Como Gonzaguinha eu “Eu fico/ Com a pureza/Da resposta das crianças/É a vida, é bonita/E é bonita.../Cantar e cantar e cantar/A beleza de ser/Um eterno aprendiz...”

Do grito do Ipiranga ao brado retumbante, novo som se espalha pelas ruas. Um canto entoado por meninos... Um canto novo, é bem verdade, mas o Brasil já teve muitas vozes que fizeram a trilha sonora deste país.

O Brasil já foi canto de Castro Alves, dores dos degredados, Canção do Africano; já foi choro nos navios, lamento sob a chibata: “ Lá na úmida senzala, /Sentado na estreita sala,/ Junto ao braseiro, no chão,/ Entoa o escravo o seu canto,/ E ao cantar correm-lhe em pranto/ Saudades do seu torrão ...”

Já foi lamento saudoso, já foi Canção do Exílio de Gonçalves Dias: "Minha terra tem palmeiras,/Onde canta o Sabiá;/As aves que aqui gorjeiam,/Não gorjeiam como lá.../ Não permita Deus que eu morra,/Sem que eu volte para lá...”

Já foi Carmen Miranda, que mostrou “o que é que a baiana tem...” mostrou a cor do Brasil mulato: “Vou cantar-te nos meus versos/Ô Brasil, samba que dá/Bamboleio, que faz gingar... /Brasil, Brasil/ Deixa, cantar de novo o trovador/A merencória luz da lua/ Toda canção do meu amor...”

Já foi Tom Jobim no: “ Brasil, sei lá/Eu não vi na terra inteira/O que nessa terra dá/E o que é que dá?/Gabiroba, gameleira,/Guariroba, gravatá/Tambatajá, ouricuri e juremá/Xingu, Jari, Madeira e Juruá/Do Boto cor-de-rosa ao Boitatá/ Dá Goiaba, cajá-maga e cambucá/Caju, pitanga e guaraná/E dá vontade de cantar... /Dá Sanhaço, tiê-sangue, tangará/Dá curió e sabiá/E dá vontade de cantar/E o que é que dá?/Ouricuri e juremá/E o que é que dá?/Caju, pitanga e guaraná/E o que é que dá?/Suçuarana e guará/E o que é que dá?/Dá curió e sabiá/E o que é que dá?/Dá é vontade de cantar...”

É, dá muita vontade de cantar todas as músicas em mil vozes... Brasil hoje é um novo grito do Ipiranga, às margens não tão plácidas, de rios, cidades e rodovias; é um canto uníssono dentro de estádios, ou ocupando as avenidas... É a melodia do orgulho pelo que representa o símbolo nacional ressurgido. É o sentimento de Pátria, de suor à flor da pele, coração acelerado pulsando no peito, que leva a mocidade às ruas e a faz clamar; aos mais velhos faz chorar... Com o som está a cor, na única bandeira possível, na junção de todas as vozes e tons do espectro de cores. É "a cor da luz” no branco da Paz. Para que outra bandeira, se esta representa o Povo com todos os credos, convicções, raças, opções e cores? 

Acho que nem é por força de Lei, mas pelos efeitos positivos dela, que se ouve o grito do povo “ em brado retumbante” nas ruas. Povo orgulhoso de saber e poder cantar o Hino Nacional*.

          Finalmente, Cazuza, o Brasil mostra a sua cara!**



**-"A partir de 22 de setembro de 2009, o hino nacional brasileiro tornou-se obrigatório em escolas públicas e particulares de todo o país. Ao menos uma vez por semana todos os alunos do ensino fundamental devem cantá-lo". Passados quatro anos vemos ressurgir a letra e a melodia plantadas nas escolas. Porque, nesta terra, em se plantando tudo dá. Até amor à pátria podemos cultivar e colher...


**- Cazuza- "Grande pátria/Desimportante/Em nenhum instante/Eu vou te trair/Não, não vou te trair.../Brasil!/Mostra a tua cara/Quero ver quem paga/Pra gente ficar assim/Brasil"!


Valéria Áureo






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Crônicas de Valéria Áureo
22/11/2013
A Voz do Brasil
24/07/2013
Foi tudo para o vinagre
22/07/2013
Fofoca cibernética... Salve Jorge!
01/07/2013
Onde foi parar o futuro?
03/06/2013
Kiss o destino
   COLUNISTAS  
Carmen Lúcia
Carnet Social
Geraldo Santão
Crônicas de Santão
Naico
Naico na Sociedade
Rodrigo Oliveira
Economia
Celinho Gaudereto
Esportes
Marcos Morita
Economia
Valéria Áureo
Crônicas
Luiz Flávio Gomes
Crônicas
Redação
Editorial
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br