PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 4190631
 Online Agora: 36
Crônicas de Valéria Áureo
Postada por:  Valéria Áureo,  em  03/06/2013 às 10h19
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Kiss o destino
Valéria Áureo

03/06/2013 às 10h19

Há muitas dores no coração de Santa Maria.


Entre tantas dores cravadas no peito de Nossa Senhora,

a noite que passou e que não passou e nunca mais passará,


trouxe mais lágrimas para o coração de Santa Maria, a Mãe de Deus.


A noite de balada que não embalou o sono será eterna.


A noite que abalou o sono não trará mais os beijos dos filhos, devorados pelas labaredas da Kiss.


Quis a morte crucificar os pais, na vasta convulsão do beijo maldito, na madrugada longa e lilás.


A noite da câmara de gás engoliu com mórbidos beijos, com línguas devoradoras de fogo, com dentes afiados, os meninos indefesos,


sob lençóis de negra fumaça.


A noite durará para sempre.


 Ah! A aurora...


O relógio da aurora batendo, sem despertar,


O celular tocando, sem fazer acordar.


 Ah, como é difícil amanhecer e ouvir o noticiário. Mas não amanhecerá mais.



Nessa madrugada de janeiro de Santa Maria, todo filho é Menino Jesus... E toda mãe é Maria. Todo pai é José.  


Para onde correram os jovens confusos, comemorando a mocidade?


Entre espumantes, drinques, fogo e fumaça   


fugiram para onde pulsavam


as bombas-relógio: nos banheiros,  nos portões fechados, na ditadura dos comandantes da noite e suas malditas  comandas,

que cobram o preço da vida na única porta de saída.

Fogo de artifício, vela fria... É a máquina


da chuva de prata, alegoria de estrelas


ilusórias, breve e assassina, que


não consegue mais brilhar : uma garrafa de espumante para brindar aniversários, universitários, formaturas e mocidade.


Não há mais brindes.


Há mortos demais. Há mortos demais.


Um morto já seria demais...


Nas calçadas apinhadas de pais, sem paz, há mortos demais...


A boate é agora é uma vasta oficina da morte; campo de concentração com corpos


 empilhados... Uma nova Auschwitz-Birkenau.


No céu de Santa Maria, ao contrário das constelações, as vidas deixam de brilhar e se apagam precocemente;


ao contrário dos dezessete, dos dezenove, dos vinte anos, que pulsavam dentro


 de blusas, dentro dos jeans, dentro dos primeiros


sapatos de salto, dentro de minissaias, dentro de batons e cabelos longos, volta-se à infância... Chega-se precocemente ao final.


Ao contrário da vida, na pista de dança, na girândola pirotecnica, na alegoria mórbida da  morte,


      apagam-se rostos,


                dos  corpos jovens,  que ontem pertenciam aos seus pais... Agora voltam a ser bebês desprotegidos.


       Moços  que seguravam o copo, que balançavam os corpos e brindavam a vida, aos beijos, agora jazem no chão e aguardam os colos dos pais.


 Há mortos


 demais, há mortes demais, há corpos

                demais. Há pais que vislumbram seus filhos inertes, surdos aos apelos de acordar e gritam por um milagre...

Levanta, filho!


Hoje é segunda-feira...


É dia feito de lágrima em todo lugar, onde tudo poderia ser igual, mas não será.


Levanta, filho!


A grande maioria  dirige-se para o trabalho... E não se falará outra coisa, senão que há mortos demais...


Um morto já seria demais.


Crianças passam para o colégio, mais silenciosas. Mães fazem comida, mais temerosas...


As pessoas


desmarcam encontros, sem ter mesmo para onde ir.


Muita ameaça


pesa sobre as cidades e suas mocidades.


Os homens querem fabricar estrelas dentro de boates.


Querem brincar com fogo!


Os homens não querem perder o que está escrito nas comandas dos circos:


Fechem os portões, bebam, dancem, comemorem a vida e paguem na saída!


Há muitas dores no coração de Santa Maria.


Santa Maria, rogai por nós!



30/01/2013


Fogos de artifício são tóxicos para os seres humanos e para os animais. Os fogos de artifício produzem fumaça e poeira que contém vários metais pesados, compostos de enxofre, carvão e outros produtos químicos nocivos. Bário, por exemplo, é usado para produzir cores verdes brilhantes, apesar de serem venenosos e radioativos. Compostos de cobre são usados para produzir as cores azuis, mesmo contendo dioxina, que tem sido associada ao câncer. Cádmio, lítio antimônio, rubídio, estrôncio, chumbo e nitrato de potássio também são comumente usados para produzir efeitos diferentes, mesmo que eles possam causar uma série de doenças respiratórias e outros problemas de saúde.

http://letraearteinsite.blogspot.com.br/









Avaliação (Vote clicando) - 2 voto(s)
 (6.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Crônicas de Valéria Áureo
11/09/2019
Sob o ponto de vista
03/09/2019
Saias e mulheres no vagão rosa
29/08/2019
Oh! Triste Fado Meu
08/08/2019
A Missão Secreta
29/06/2015
Blog Das imparciais in site
22/11/2013
A Voz do Brasil
24/07/2013
Foi tudo para o vinagre
22/07/2013
Fofoca cibernética... Salve Jorge!
01/07/2013
Onde foi parar o futuro?
03/06/2013
Kiss o destino
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br