PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 3262006
 Online Agora: 14
Crônicas de Valéria Áureo
Postada por:  Valéria Áureo,  em  03/06/2013 às 10h19
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
Kiss o destino
Valéria Áureo

03/06/2013 às 10h19

Há muitas dores no coração de Santa Maria.


Entre tantas dores cravadas no peito de Nossa Senhora,

a noite que passou e que não passou e nunca mais passará,


trouxe mais lágrimas para o coração de Santa Maria, a Mãe de Deus.


A noite de balada que não embalou o sono será eterna.


A noite que abalou o sono não trará mais os beijos dos filhos, devorados pelas labaredas da Kiss.


Quis a morte crucificar os pais, na vasta convulsão do beijo maldito, na madrugada longa e lilás.


A noite da câmara de gás engoliu com mórbidos beijos, com línguas devoradoras de fogo, com dentes afiados, os meninos indefesos,


sob lençóis de negra fumaça.


A noite durará para sempre.


 Ah! A aurora...


O relógio da aurora batendo, sem despertar,


O celular tocando, sem fazer acordar.


 Ah, como é difícil amanhecer e ouvir o noticiário. Mas não amanhecerá mais.



Nessa madrugada de janeiro de Santa Maria, todo filho é Menino Jesus... E toda mãe é Maria. Todo pai é José.  


Para onde correram os jovens confusos, comemorando a mocidade?


Entre espumantes, drinques, fogo e fumaça   


fugiram para onde pulsavam


as bombas-relógio: nos banheiros,  nos portões fechados, na ditadura dos comandantes da noite e suas malditas  comandas,

que cobram o preço da vida na única porta de saída.

Fogo de artifício, vela fria... É a máquina


da chuva de prata, alegoria de estrelas


ilusórias, breve e assassina, que


não consegue mais brilhar : uma garrafa de espumante para brindar aniversários, universitários, formaturas e mocidade.


Não há mais brindes.


Há mortos demais. Há mortos demais.


Um morto já seria demais...


Nas calçadas apinhadas de pais, sem paz, há mortos demais...


A boate é agora é uma vasta oficina da morte; campo de concentração com corpos


 empilhados... Uma nova Auschwitz-Birkenau.


No céu de Santa Maria, ao contrário das constelações, as vidas deixam de brilhar e se apagam precocemente;


ao contrário dos dezessete, dos dezenove, dos vinte anos, que pulsavam dentro


 de blusas, dentro dos jeans, dentro dos primeiros


sapatos de salto, dentro de minissaias, dentro de batons e cabelos longos, volta-se à infância... Chega-se precocemente ao final.


Ao contrário da vida, na pista de dança, na girândola pirotecnica, na alegoria mórbida da  morte,


      apagam-se rostos,


                dos  corpos jovens,  que ontem pertenciam aos seus pais... Agora voltam a ser bebês desprotegidos.


       Moços  que seguravam o copo, que balançavam os corpos e brindavam a vida, aos beijos, agora jazem no chão e aguardam os colos dos pais.


 Há mortos


 demais, há mortes demais, há corpos

                demais. Há pais que vislumbram seus filhos inertes, surdos aos apelos de acordar e gritam por um milagre...

Levanta, filho!


Hoje é segunda-feira...


É dia feito de lágrima em todo lugar, onde tudo poderia ser igual, mas não será.


Levanta, filho!


A grande maioria  dirige-se para o trabalho... E não se falará outra coisa, senão que há mortos demais...


Um morto já seria demais.


Crianças passam para o colégio, mais silenciosas. Mães fazem comida, mais temerosas...


As pessoas


desmarcam encontros, sem ter mesmo para onde ir.


Muita ameaça


pesa sobre as cidades e suas mocidades.


Os homens querem fabricar estrelas dentro de boates.


Querem brincar com fogo!


Os homens não querem perder o que está escrito nas comandas dos circos:


Fechem os portões, bebam, dancem, comemorem a vida e paguem na saída!


Há muitas dores no coração de Santa Maria.


Santa Maria, rogai por nós!



30/01/2013


Fogos de artifício são tóxicos para os seres humanos e para os animais. Os fogos de artifício produzem fumaça e poeira que contém vários metais pesados, compostos de enxofre, carvão e outros produtos químicos nocivos. Bário, por exemplo, é usado para produzir cores verdes brilhantes, apesar de serem venenosos e radioativos. Compostos de cobre são usados para produzir as cores azuis, mesmo contendo dioxina, que tem sido associada ao câncer. Cádmio, lítio antimônio, rubídio, estrôncio, chumbo e nitrato de potássio também são comumente usados para produzir efeitos diferentes, mesmo que eles possam causar uma série de doenças respiratórias e outros problemas de saúde.

http://letraearteinsite.blogspot.com.br/









Avaliação (Vote clicando) - 2 voto(s)
 (6.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Crônicas de Valéria Áureo
22/11/2013
A Voz do Brasil
24/07/2013
Foi tudo para o vinagre
22/07/2013
Fofoca cibernética... Salve Jorge!
01/07/2013
Onde foi parar o futuro?
03/06/2013
Kiss o destino
   COLUNISTAS  
Redação
Editorial
Marcos Morita
Economia
Rodrigo Oliveira
Economia
Luiz Flávio Gomes
Crônicas
Valéria Áureo
Crônicas
Geraldo Santão
Crônicas de Santão
Naico
Naico na Sociedade
Carmen Lúcia
Carnet Social
Celinho Gaudereto
Esportes
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br