PÁGINAS  
   ENQUETE  
Qual a sua preocupação com o meio ambiente?
Utiliza as lixeiras de coleta seletiva?
Tem o hábito de reciclar lixo diariamente?
Economiza energia?
Consome marcas ecologicamente corretas?


   TEMPO AGORA  
   PUBLICIDADE  
   ESTATISTICAS  
Total de Visitas: 3368992
 Online Agora: 53
Luiz Flávio Gomes
Postada por:  Luiz Flávio Gomes,  em  28/05/2013 às 15h25
Compartilhar no Orkut Comentários ( 0 ) Comentar Link: Fonte
O Brasil é uma tragédia anunciada
Luiz Flávio Gomes, jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. institutoavantebrasil.com.br*  

28/05/2013 às 15h25

Desde o seu nascimento luso (1.500) o Brasil é uma tragédia. Santa Maria, com 241 mortes (até aqui), foi só um sintoma do nosso estado febril e incivilizado permanente. Somos herdeiros da última Idade Média, cuja cultura bárbara se impregnou no renascentismo ibérico (Espanha e Portugal), que deliberou conquistar o planeta no final do século XV, levando para esse “novo mundo” (ibero-americano, incluindo-se nosso país) a mais atroz violência, a irrefreada cobiça (ânimo de usurpação de tudo quanto existe na terra nova, enriquecimento lícito ou ilícito) e a fé (católica).

  Basta passar os olhos na nossa origem viciada (até hoje culturalmente não consertada) para entender as tragédias diárias atuais (F. Weffort), que não têm dia nem hora para acabar, porque ainda não nos desvencilhamos dos nossos múltiplos pecados originais, destacando-se a violência animalesca ilimitada (tudo começou com um genocídio brutal contra os índios) e a cobiça (ânimo de exploração da terra, da natureza e dos índios; os que não foram mortos, acabaram-se submetidos à espoliação, à exploração, em regime de escravidão), ambas amparadas e perdoadas pela fé.

  No Brasil, “esse passado [de sangue, de exploração do ser humano e de misticismo] não está morto e enterrado; na verdade, ele nem mesmo é passado” (William Faulkner). Não existe [no Brasil] um só documento de cultura que não seja, ao mesmo tempo, um documento de barbárie (Walter Benjamin).

  O impacto titânico das coberturas midiáticas abundantemente abutricionistas contribui sobremaneira para nos mantermos na ignorância e na passividade frente a outras tragédias diárias que em qualquer país medianamente civilizado desencadeariam uma revolução radical. No trânsito, a projeção para 2012 (os números ainda não foram consolidados pela Datasus) é de 46.395 óbitos, sendo 3.866 por mês, 127 por dia, 5 por hora e uma morte a cada 11 minutos e 21 segundos. Em relação aos homicídios intencionais a mesma projeção é de 53.823 óbitos, sendo 4.485 por mês, 147 por dia, 6 por hora e uma morte a cada 9 minutos e 48 segundos. Tudo somado, 274 mortes por dia, que não despertam a espetacularização midiática em seu conjunto, porque as mortes imprudentes, para nossa cultura, são desígnios de Deus, e as mortes intencionais atingem em sua quase absoluta totalidade somente os pobres que, constituídos tão somente de braços e pernas, são, por natureza (dizem os cínicos), espoliáveis, torturáveis, vigiláveis, prisionáveis e mortáveis.  

  É impressionante como fechamos os olhos para outras tragédias anunciadas, que ficam apenas regionalizadas e não ganham força para gerar audiência nacional nos programas de TV, cuja inapetência para discutir profundamente nossos problemas constitui sua marca registrada. Não discutimos em profundidade a péssima condição da nossa infraestrutura das estradas e ruas, a engenharia ultrapassada na fabricação dos carros, os projetos mal executados que geram alagamentos, licitações fraudadas, desvio de recursos públicos e uso de materiais de segunda linha, distribuição de renda precária, uso das terras do país sem um estudo prévio para desenvolvimento social econômico, falta de oportunidades para amplas camadas da sociedade, combate ao usuário de drogas e não ao verdadeiro traficante, uso político das verbas públicas para a seca, investimento mais alto em presídios do que em escolas, carga tributaria elevada, sem contraprestação à altura para o povo, etc.

Mas como brasileiros e herdeiros diretos da cultura bárbara da Idade Média, marcada pela violência, cobiça e fé (Weffort), acreditamos que tudo pode mudar após o carnaval. É dessa maneira mística, sanguinária e incivilizada que estamos perdendo a oportunidade de nos tornarmos um país mundialmente competitivo. Queremos mudanças, mas não promovemos diariamente em nossos hábitos as mudanças que gostaríamos de ver no nosso país. 


*Colaborou: Soares Netto, especialista em marketing e gestor de mídias sociais






Avaliação (Vote clicando) - 0 voto(s)
 (0.00)
12345678910

Deixar Comentário

[ 0 ] comentário(s)

Nenhum Comentário ou aguardando aprovação



 
.:: Mais Notícias sobre Luiz Flávio Gomes
04/10/2014
Licença para roubar: eleitores e "supereleitores"
17/10/2013
Vivemos hoje uma reversão de expectativas?
17/10/2013
Mediação: S.O.S. aos aflitos com os conflitos
17/10/2013
Minirreforma eleitoral e novos protestos
27/08/2013
10 razões para apoiar o retorno dos protestos massivos
22/07/2013
Segurança no Brasil gasta 200 bilhões
03/07/2013
Medo da inflação, da infração e da infusão
28/05/2013
O Brasil é uma tragédia anunciada
08/03/2013
Pisando no freio (como reduzir as mortes no trânsito imediatamente?)
08/03/2013
Mortes no trânsito: Europa diminui 5% ao ano, Brasil cresce 4%
   COLUNISTAS  
Naico
Naico na Sociedade
Marcos Morita
Economia
Luiz Flávio Gomes
Crônicas
Rodrigo Oliveira
Economia
Celinho Gaudereto
Esportes
Valéria Áureo
Crônicas
Redação
Editorial
Carmen Lúcia
Carnet Social
Geraldo Santão
Crônicas de Santão
   PUBLICIDADE  
 
 
 
 
   
   
® O Imparcial
Rua Quirico Marini, 55 - Rio Pomba - Minas Gerais
Telefone: 32-3571-1822 / E-mail: jornal.oimparcial@uol.com.br